quarta-feira, 21 de maio de 2008

DICA à Campanha do Molon para a Prefeitura do Rio de Janeiro

O PT ou a campanha do Dep. Estadual Alessandro Molon para a prefeitura do Rio de Janeiro disponibilizou esta semana dois vídeos do partido - que fazem parte da estratégia de campanha de Molon.

Aqui um deles:


O vídeo não menciona Molon como candidato, e também não exalta nenhuma de suas atividades. Sim, a propaganda está correta ao se enquadrar como partidária (já que a campanha para prefeito só começa dia 6 de Junho), mas ao mesmo tempo, ela não deixa de promover o candidato a prefeito pelo partido. Estão usando a mesma estratégia de outros partidos.

Nesta disputa já é sabido que a principal arma de Molon é o fato de ser do mesmo partido do "70% de aprovação" presidente da república.

Mas o problema de Molon é que ele ainda é pouquíssimo conhecido pelo eleitor carioca - o que para espanto de muitos, essa condição pode ter o seu lado positivo. Isso quer dizer que graças ao bom tempo de TV/Rádio do candidato, o seu gerente de campanha pode construir a imagem que ele quiser que o eleitor absorva do seu candidato. Agora se a "apresentação" do candidato não for feita logo (e de maneira eficaz!), outros candidatos terão o prazer de apresentá-lo ao público - ou seja, a imagem do candidato pode ser destruída logo no iníco da campanha.

Associar a imagem de Molon ao Presidente Lula e a seus projetos federais com influência na cidade não pode ser a única estratégia. Ele deve ser reconhecido pelo seus próprios méritos!

E se Molon não tem uma extensa base de apoio para sustentar a sua campanha, ele deve estender os seus esforços a novos eleitores, persuadir indecisos, ter certeza que comunidades e associações que tem simpatia por Lula, irão também apoiá-lo - o nome do Deputado Estadual deve ser difundido nos bairros de dentro para fora e não ao contrário, através de cabos eleitorais anônimos e seu lixo produzido por distribuição de panfletos.

No entanto, Molon não precisa deixar sua barba crescer ou muito menos repetir os erros de português de Lula. Eleições municipais são muito mais intimistas que presidenciais ou de governador. A porta da prefeitura é muito mais acessível que o Palácio da Alvorada - não basta ser aliado do presidente, as pessoas tem de realmente "ir com a cara" do candidato, e ver Molon também como alguém acessível - ao ponto de construir uma imagem de quem tem as mesmas prioridades da população e que trabalha como o Lula e não para o Lula.

---

Aqui
segue o primeiro bloco (de 5) da entrevista de Molon do dia 12 de Maio na Rede Bandeirantes.

O que não pude deixar de reparar é que Molon parece ter o seu "traje da sorte" pois tanto no vídeo do PT, quanto na foto que aparece com Lula no vídeo, quanto na entrevista dada à Bandeirantes, Molon aparece com o mesmo conjunto de terno, camisa e gravata.

*O autor deste blog não necessariamente apoia o candidato petista - e ficará feliz em comentar qualquer outra campanha de qualquer outro partido no futuro.

Um comentário:

Narinha disse...

Amigo Bruno,
colar no presidente é uma das principais estratégias do Molon. Aqui no Rio ele é conhecido como o "PT que não tem cara de PT". Alcunha que se dá aos integrantes do partido que não rezam pela cartilha paulista e que mais parecem tucanos. Na verdade, o Molon tá perdendo o "timing" da campanha e se mostrando muito timidamente na mídia nesse período. Pode ser que ele esteja de porta em porta pedindo voto. Caso contrário, sairá muito atrás do Gabeiro - que tem imagem forte e consolidada como deputado federal.